Veja pontos obrigatórios para conhecer Brasília, nosso quadradinho

Listamos passeios que todo mundo deve fazer para se encantar pela história e pluralidade do DF
Vista aérea de um dos pontos centrais de Brasília

Por Aline Brito e Patrícia Nadir

Brasília, substantivo feminino. A capital, constituída por culturas de todos os cantos, reúne possibilidades de passeios que contam a história das curvas desenhadas por Oscar Niemeyer. Por favor, deixe o cenário político de lado. O “quadradinho” é único e vai muito além, com urbanismo e arquitetura que refletem sua modernidade singular.

A cidade, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, começou a ser construída na década de 1950, a partir de um desejo do então presidente Juscelino Kubitschek em trazer a capital para o coração do Brasil. Então, no meio do cerrado nasceu a região em formato de avião inventada por Lucio Costa.

Estou indo pra Brasília, neste país lugar melhor não há.

Renato Russo

Para endossar a mensagem cantada pelo líder da Legião Urbana, o Epia listou opções para conhecer melhor a história da capital e pontos culturais. São sugestões que cabem no roteiro de um fim de semana para apreciar os monumentos e belezas da cidade. Confira: 

Quadra modelo

Começando pelos pontos localizados no centro da capital. A Quadra Modelo de Brasília, a Superquadra Sul 308, é perfeita para entender melhor como a cidade foi planejada. O local, fundado em 1962, serviu de referência para outras superquadras do Plano Piloto. 

Lucio Costa teria dito que os blocos residenciais poderiam ser de maneira variada nas super-quadras, mas teriam que obedecer a alguns princípios: seis pavimentos (apesar de o bloco D da 308 Sul ter quatro andares), pilotis e separação do tráfego de veículos do trânsito de pedestres.

A quadra reúne atributos bem brasilienses: paisagismo de Burle Marx, azulejos de Athos Bulcão, Igrejinha e Escola Parque de Oscar Niemeyer. A famosa igrejinha e o espelho d’água do Bloco F formam um dos cenários mais encantadores de Brasília, sendo parte indispensável do roteiro para quem deseja conhecer a fundo a cidade.

A proposta de Brasília mudou a imagem de ‘morar em apartamento’, e isto porque morar em apartamento na superquadra significa dispor de chão livre e gramados generosos contíguos à “casa”, numa escala que um lote individual normal não tem possibilidade de oferecer.

Lucio Costa, Brasília Revisitada, 1987

Catedral Metropolitana

Clichê ou não, conhecer a Catedral por dentro e por fora é uma parada obrigatória para quem passeia pelas belezas de Brasília. A arquitetura e os traços de Oscar Niemeyer conceberam ao monumento o selo de cartão postal do DF.  Em 1988, a obra rendeu ao arquiteto o Prêmio Pritzker, considerado o “Nobel da arquitetura”.

As dezesseis colunas de concreto com noventa toneladas cada, que formam a estrutura da igreja, estão propositalmente posicionadas num formato hiperboloide, simulando mãos voltadas para o céu em oração. Os vitrais entre os pilares da catedral são assinados pela artista plástica Marianne Peretti.

Torre de TV

Uma das estrutura mais alta do Brasil, a Torre de Brasília chega a ser comparada por alguns à de Torre Eiffel, pela semelhança estética. A torre tem um mirante de 75 metros de altura e capacidade para 150 pessoas. O local proporciona uma vista de tirar o fôlego de toda da cidade. 

Inaugurado em 1967, o monumento conta com uma badalada feirinha que serve de ponto de trabalho para artesãos de toda a cidade, além de ser palco de vários shows, festas e eventos. Na praça de alimentação encontra-se comidas típicas dos mais variados cantos do Brasil e bancas de artesanato com artigos para todos os gostos. 

Memorial JK

Nada melhor que um museu para conhecer a história de um lugar. O Memorial JK foi ideia de Sarah Kubitschek, viúva de JK, que pediu para que Niemeyer o projetasse. Inaugurado em 1981, o local conta a trajetória do ex-presidente fundador da cidade de Brasília.

O acervo do Memorial conta com pertences de JK, como sua biblioteca pessoal, documentos e fotos do casal. Mas o trunfo do local é a câmara mortuária, em que os restos mortais do político estão guardadas.

No andar superior do museu, há o auditório Márcia Kubitschek, filha do casal, no qual ocorrem  apresentações de música e teatro. A estrutura do memorial apresenta, na área de fora, obras projetadas por Athos Bulcão, um vitral desenhado por Marianne Peretti e uma escultura de 4,5 metros de autoria de Honório Peçanha. Um lugar cheio de detalhes impressionantes para os amantes de história, arte e arquitetura.

Praça dos Três Poderes + Palácio da Alvorada

Quem vem à Brasília não pode deixar de conhecer a Praça dos Três Poderes, e visitar os prédios dos Poderes: o Palácio do Planalto (Executivo); o Congresso Nacional (Legislativo ) e o Supremo Tribunal Federal (Judiciário). Em um acesso para o subsolo da praça, há uma maquete de Brasília, com o formato e plano urbanístico da cidade.

As visitas para conhecer o interior do Palácio do Planalto ocorrem aos domingos, das 9h às 13h40, com saída de grupos a cada 40 minutos. Já no Congresso, as visitas guiadas são gratuitas e acontecem a cada 30 minutos, entre 9h e 17h30, às segundas, quintas, sextas, fins de semana e feriados.

A poucos minutos da Praça dos Três Poderes fica o Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente da República. O local tem um espelho d’água com a escultura em bronze chamada As Iaras, obra do escultor Alfredo Ceschiatti. Ao lado do edifício principal, há uma capela em formato espiral.

Praça dos três poderes está localizada entre os edifícios que representam os três poderes da República: Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional

Santuário Dom Bosco

Uma das mais conhecidas igrejas de Brasília, o santuário é dedicado ao padroeiro da cidade, São João Bosco. O templo fica na quadra 702 sul, próximo ao Eixo Monumental. Criado pelo arquiteto Carlos Alberto Naves, o monumento é considerado uma das sete maravilhas da capital. O título foi dado pelo Bureau Internacional de Capitais Culturais (IBOCC), em 2008.

O enorme lustre de 3,5m de altura, formado por 7.400 peças de vidro murano, simboliza aquele que é a luz maior da fé cristã: Jesus. Além disso os vitrais projetam 12 tons de azul que embelezam a igreja e as portas produzidas em ferro e bronze, com baixos-relevos, lembram a vida de Dom Bosco. 

Museu do catetinho

Primeira residência oficial do ex-presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek, na época da construção da nova capital do país. Está situado às margens da rodovia BR-040, próximo às cidades de Santa Maria e Gama e é um ponto fundamental para os que buscam conhecer a fundo os encantos de Brasília. 

Com projeto simples do arquiteto Oscar Niemeyer, a casa levou apenas 10 dias para ficar pronta, sendo inaugurada em novembro de 1956 e ficou conhecida como “Palácio de Tábuas”, por ser feita inteiramente de madeira. No mesmo ano em que inaugurou, o Catetinho foi tombado pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Dentro do museu pode-se contemplar diversas peças de mobília preservadas, fotografias e até roupas que foram usadas por Juscelino Kubitchek. A simplicidade do local não é por acaso, a moradia foi planejada sem conforto ou honras oficiais, para que o presidente não se distanciasse dos trabalhadores, que viviam em barracos e tendas. Hoje, abrem-se, aos visitantes, alguns cômodos, como a antiga suíte presidencial, a sala de despachos, o quarto dos membros do governo, o quarto de hóspedes e a sala de refeições no térreo.

Feira do Guará

Uma das feiras mais famosas e tradicionais do Distrito Federal, a feira do Guará atrai pessoas dos quatro cantos da capital. Também conhecida como “Feira Permanente do Guará”, o comércio existe desde 1969 e exala cultura, reunindo em um só lugar gastronomia local, artesanato, música, entre outros. 

A feira foi criada pela necessidade de atender as pessoas desempregadas que vendiam suas mercadorias em algumas barracas em frente à Benecap, órgão do governo que pertencia aos funcionários da Novacap. Hoje a feira do Guará está plenamente consolidada com 526 barracas de comércio variado, promovendo um movimento por volta de 30.000 pessoas de quinta a domingo. 

O lugar funciona das 8h às 18h e se destaca ainda mais pelos sabores da culinária nordestina, muito forte no Distrito Federal. Para quem gosta de um pastel frito com caldo de cana fresquinho, a Feira do Guará é parada obrigatória.

Entrada da feira do Guará, um dos lugares mais tradicionais do Distrito Federal.

Observação: a matéria usou como fonte dados coletados no site da Secretaria de Turismo de Brasília, bem como Agência Brasília.